terça-feira, 24 de junho de 2014

A Noite Romântica do Vila do Chef

Foto: Ana Flávia Brant Mendes
E a tão esperada noite dos Namorados no Vila do Chef começou. Estava tudo preparado. Decoração pronta: margaridinhas em xícaras branquinhas, rosas vermelhas em taças com água e pétalas de rosas vermelhas, cedidas pela Flores e Flores BH, foram cuidadosamente distribuídas sob as mesas. A Lua cheia “encomendada” especialmente para a ocasião estava no céu: está certo, um pouco tímida no início, escondida pelas nuvens da noite fria que se anunciava, mas depois de um tempo ela se mostrou majestosa, como deve ser em uma noite de apaixonados. A trilha sonora tocando. A Chef Luiza Fiorini e sua ajudante Mariana Palmeira cuidando dos últimos detalhes antes que os convidados chegassem. Tudo estava perfeito. O dia dos namorados havia sido no dia anterior, mas com as bênçãos de Santo Antônio, o casamenteiro, e afastando com amor o mau agouro que muitos poderiam atribuir àquela sexta-feira 13, foi iniciado aquele festim romântico bem no coração de Belo Horizonte.

Foto: Ana Flávia Brant Mendes
No início todos estavam assim, um pouco reservados, passeando pela área externa do Vila do Chef. Sentavam-se nos banquinhos sob as árvores, tiravam fotos, namoravam. Depois, os dois ambientes reservados para a ocasião foram invadidos por risos, olhares apaixonados, e conversas descompromissadas. A mágica se realizava. Alguns já se conheciam e estavam à vontade com a conversa regada a vinho. Outros se conheceram naquele momento e acabaram entrando na roda e fazendo novos amigos. Aqueles que desejaram ficar à margem, curtindo a noite como se ninguém estivesse ali também o fizeram.

Foto: Ana Flávia Brant Mendes
Então o serviço foi iniciado com as entradas: primeiro, o tartar de abóbora com gengibre. Um deleite para os sentidos, uma vez que o gengibre seduz logo pelo seu aroma. Ao comer, o seu leve sabor picante contrasta com o doce da abóbora trazendo uma experiência ímpar ao paladar. Logo depois foi servido o ceviche duo de salmão e robalo. A delicadeza do prato, todo decorado com florezinhas comestíveis, aguçou o apetite que foi rapidamente saciado por aquela iguaria deliciosa, que fez tanto sucesso que teve para muitos um gostinho de quero mais. Muitos repetiram a entrada sem a menor cerimônia. Aliás, cerimônia? Que cerimônia? A essa altura todos já eram velhos amigos ali e conversavam e bebiam vinho como se estivessem em casa. A noite que estava fria, com o calor da acolhida, do vinho e da boa comida acabou esquentando. Um ótimo sinal, pois a festa estava só começando.

Foto: Ana Flávia Brant Mendes

Logo depois das entradas a Chef Luiza começou a preparar o prato principal: massa em formato de coração recheadas com camarões ao molho de amêndoas laminadas. De comer de joelhos! Mas antes que fossem servidos, os convivas interagiam com a Chef e sua ajudante, perguntavam a respeito dos ingredientes, se deleitavam com os cheiros que vinham das panelas, bebiam vinho enfim, ninguém tinha pressa. Para finalizar o festim com chave de ouro, uma sobremesa romântica até no nome: Amor em pedaços com chantilly de limão siciliano. Não poderia ter sido mais perfeito!


Foto: Ana Flávia Brant Mendes

A festa estava chegando ao fim. A lua cheia estava lá, linda, pairando sob aquela mangueira majestosa da área externa. Dois últimos mimos ainda faltavam antes que todos fossem embora: a Flores e Flores BH cedeu uma lindíssima orquídea para ser sorteada entre os convivas e as meninas da Sucre Maison fizeram caixinhas com mimos de chocolate para os convidados. Uma delicadeza a mais. Quem ganhou as flores era também a aniversariante do dia. A sorte realmente estava conspirando. Todos pegaram suas caixinhas de delícias e ao final foram embora felizes e satisfeitos. Uma experiência ímpar. Mas é assim: o Vila do Chef tem essa capacidade de parar o tempo proporcionando a quem ali frequenta momentos únicos e inesquecíveis. Que venham os próximos! 

sábado, 7 de junho de 2014

Uma dica durante a pausa

Olá Pessoal! Bom, tenho um post com dicas quentinhas de um lugar romântico delicioso aqui em Belo Horizonte. Mas vocês vão ter que aguardar mais um pouquinho. É que o blog Lugares Românticos que Já Fui está passando por um processo de reformulação. Em breve teremos tudo novo! Mas para não ficar aqui na vontade de dicas maravilhosas de programas para se fazer a dois em BH, vou mandar aos pouquinhos aqui dicas de coisas super legais para se fazer no dia dos namorados.

A primeira dica que dou, e que é bom correr porque senão não vai ter mais, é o Jantar Harmonizado de dia dos Namorados que a Vila do Chef, junto da Chef Luiza Fiorini estão promovendo com o apoio do blog! Para fugir das comemorações da copa do mundo, optamos por fazer o jantar dia 13, uma sexta-feira. O cardápio está imperdível pessoal! Casais que curtem ter uma experiência gastronômica diferenciada precisam experimentar isso. O evento tem número limitado de participantes e as reservas poderão ser feitas até o dia 10/06.

Foto do site Vila do Chef
Imagine só você, em uma selva de pedras como a nossa cidade, com sua cara-metade, procurando algo diferente para se fazer em uma data como essa. Agora pense que você de-repente encontra uma pequena vila no meio dos arranha-céus e que quando você entra ali, você se esquece completamente de onde está. Pois bem, no Vila do Chef é assim. Nem parece que estamos dentro de uma cidade grande. Pelas fotos, temos a impressão que ali está em alguma cidadezinha dessas de interior aqui de Minas. Tiradentes? Quem sabe? A estrutura da casa é ótima. Lá foi feito para receber eventos gourmets e confrarias de pessoas que amam dividir momentos inesquecíveis ao redor de uma mesa com boa comida e boa bebida.

A ideia de se fazer um jantar de dia dos namorados no Vila do Chef veio da vontade de se fazer um evento diferenciado, exclusivo, com poucos participantes, explorando a delícia de se degustar um menu diferenciado, tendo contato direto com a chef e acompanhando o preparo dos alimentos. Durante o jantar terão várias surpresas como o sorteio de um bouquet de rosas equatorianas, cedido carinhosamente pela parceira Flores e Flores BH. Outro mimo durante o jantar são os deliciosos brigadeiros gourmet das meninas do Sucre Maison.

Quem quiser fazer reserva no Jantar dos Namorados do Vila do Chef precisa mandar um e-mail para reservas@viladochef.com.br ou ligar para 31- 9185 2258.  Não percam tempo! As reservas podem ser feitas até dia 10!

segunda-feira, 19 de maio de 2014

De Paris para BH: Romantismo Com Sotaque Francês e Sabor de Crepe

Vasinho de chita
Bistrôs são restaurantes pequenos, aconchegantes e românticos por natureza. No Bistrô de Crepes, localizado em Belo Horizonte, bem no coração pulsante do bairro Buritis, encontramos um ambiente único, que mescla nas paredes revestimentos com cerâmica e pintura. Traz arandelas, para proporcionar a iluminação à meia luz. De um lado, mesas de madeira e um grande banco também em madeira, (ali as pessoas ficam mais juntinhas!); Do outro, mesinhas menores, para duas pessoas. E tem ainda uns toques de mineiridade na delicadeza das garrafinhas de chita com florzinhas artesanais sob as mesas, no porta-guardanapos e na janela colonial da cozinha, um capricho da proprietária apaixonada por Tiradentes (no projeto original estava previsto um “simples” blindex).


Dentro daquele espaço não mais do que 16 mesas. Existem ainda algumas do lado de fora. No entanto, em um dia friozinho como aquela sexta-feira à noite, a melhor opção era realmente ficar lá dentro. Em uma das paredes encontramos um quadro negro grande onde está escrito o cardápio (bem típico de bistrôs e trattorias) e ao longo das outras paredes vemos vários quadros delicados, garrafas de vinho e taças penduradas, arranjos de flores, enfim: uma mistura de Minas com a França bem aqui em BH.


A acolhida foi calorosa. Ali encontrei Thaís e Simone. Mãe e filha. Thaís, a proprietária, é uma pessoa apaixonada pelo que faz e cheia de histórias para contar. Sentamo-nos à mesa e falamos sobre o blog, sobre o seu trabalho, sobre o seu esmero com a cozinha, sobre a sua dedicação a tudo o que gira em torno do bistrô. Pergunto a ela: mas por que um Bistrô de Crepes? E então ela me responde: “Aqui em Belo Horizonte o único estabelecimento com uma proposta semelhante à nossa está no bairro Santa Tereza. Aqui, um dos nossos diferenciais em relação às outras creperias que encontramos por ai é que tudo nosso é fresquinho, natural, feito na hora. A de Santa Tereza também é assim”, explica. Ela diz ainda que todos os seus ingredientes são selecionados e isso confere ao produto final um resultado de altíssima qualidade. Concordo com ela, e digo mais, isso é coerente com o sentido exato de um restaurante estilo bistrô: comida simples, de qualidade a preços honestos.

Simone, a filha, me apresentou a carta de vinhos e fiquei impressionada com a excelente relação custo-benefício do local. A carta foi montada em parceria com a Casa Rio Verde e ela não é prolixa. Traz exatamente aquilo que tradicionalmente se espera de um bistrô: vinhos honestos a preços honestos que giram em torno de R$33,00 o mais barato e R$119,00 o mais caro. Existem duas opções de vinhos em meia garrafa para aqueles que preferem não passar dos limites: um Cabernet e um Carmenere. Provei um deles: O Casanova Reserva Cabernet Sauvignon, da vinícola chilena Hugo Casanova. Fiquei surpreendida. Para aqueles que preferem degustar o seu próprio vinho, a taxa de rolha deles está dentro do esperado no mercado aqui de BH, R$30,00.

crepe de filé com
lascas de parmesão
e alho-porro
O cardápio de crepes é maravilhoso. São 35 sabores ao todo entre salgados e doces. Os preços variam de R$15,00 a R$26,00, eles tem opções sem carne para aqueles que curtem uma vibe vegetariana e trazem ainda os crepes petiscos, chamados Choppinho, que são menorzinhos. Eu optei pela sugestão mais vendida da casa, o crepe de filé mignon com lascas de parmesão e alho-porro (R$26,00). Simplesmente maravilhoso e faz jus ao status de mais vendido. A manteiga de ervas que acompanha o crepe é deliciosa! Para sobremesa, experimentei a sugestão do garçom, que indicou o crepe de morangos com creme de avelã (R$16,50). Igualmente maravilhoso. Mas se você não quiser comer crepe, experimente as opções deliciosas de omeletes de clara que vem com saladinhas de acompanhamento. Outra coisa bacana no Bistrô de Crepes é a grande variedade de sucos que eles oferecem: São 29 ao todo para você escolher.


Em minha opinião, o romantismo não está em coisas grandes e suntuosas. Pelo contrário, eu sou uma pessoa muito apegada a detalhes e é neles que tenho minhas melhores experiências românticas. Acho que foi justamente nisso que o Bistrô de Crepes me ganhou. São delicadezas como o joguinho americano de papel em forma de cartão postal contando a história do crepe, o saquinho de tecido cheio de florzinhas que envolve os talheres, a conversa descontraída e extremamente agradável das donas, a cerâmica da parede, os vasinhos de flores, as arandelas, os quadrinhos nas paredes... Tudo isso somou para criar um clima encantador, que faz com que a gente não tenha vontade de ir embora (cheguei lá às 21h e fui embora às 24h quando a casa fechou).



Crepe de creme de avelã com morango
que indiquei para a família que estava
na mesa ao lado
Sentada ali vi casais entrando e saindo. Vi famílias se deleitando e experimentando os crepes um do outro (dei até pitaco em um dos pedidos deles!). Vi vida. Um lugar para ser romântico precisa ser vivo. Bistrôs originalmente são restaurantes pequeninos e simples que servem comida boa e honesta, vinhos regionais e que trazem um clima de aconchego de casa, informal e ao mesmo tempo extremamente charmoso. É isso... O Bistrô de Crepes agora faz parte do hall dos lugares românticos que eu já fui por causa do seu charme despretensioso, da simplicidade rebuscada de seus pratos e do carinho que é depositado em tudo o que é feito ali. 

E então? Está esperando o que para convidar a sua cara-metade para comer um crepe hoje?

Serviço:
Rua Walter Guimarães Figueiredo, 25, lj. 8, Buritis, BH
31-3024-1282
Aceita reservas.
Abre às 18h e fecha à 0h. Não abre aos domingos.
Aceita cartões de crédito